A 18º Parada do Orgulho LGBT que aconteceu em São Paulo no último domingo deixou um rastro de violência, pelo menos para os fieis da Paróquia da Igreja da Consoloção, situada na Praça Rosevelt, localizada no trajeto da Parada Gay.

Desrespeito por parte dos participantes da Parada Gay São recorrente. A imagem acima  é de 2011. Em 2012 colocaram imagens de santos católicos no percurso da Parada, despidos e em poses eróticas.

O relato é do padre José Roberto Pereira.  Confira trecho do desabafo do sacerdote: 

“Caríssimos irmãos e irmãs, eu não gostaria de falar sobre esse assunto numa rede social mais tudo o que aconteceu ontem à tarde no entorno da Igreja da Consolação e Praça Rooseveltme deixa indignado!

Já há quatro anos estou à frente da Igreja e neste período sempre quando acontece a Parada do Orgulho LGBT no turno da tarde não abrimos a paróquia devido a problemas no passado quando participantes da Parada entravam na igreja e tiravam a roupa na frente das pessoas que participavam da Missa.

Ontem não foi diferente pois mesmo não sendo comunicado do evento, deixamos a igreja fechada evitando qualquer atrito. Quando  cheguei às 14:30 na Igreja, era algo insuportável: além do  som alto  fui comunicado pelo nosso segurança que na lateral da rampa da Praça Roosevelt, ao lado da Igreja, jovens entravam com seus parceiros e travestis para terem relação sexual não respeitando a ninguém que estivesse próximo.

Evitei sair de casa para não passar por decepções! Um dia depois da Parada, o segurança do turno da manhã ao abrir a igreja achou uma grande quantidade de preservativos utilizados no local durante a tarde e noite de ontem!

Eu  pergunto a estes irmãos e irmãs: será que em algum momento a igreja da Consolação os agrediu por palavras e ações? Ao contrário, nós atendemos a todos sem distinção. Todos são acolhidos exceto quando querem usar da Igreja para seus encontros pessoais e atos imorais.

Mas o que mais me deixa indignado é que os organizadores, Prefeitura Municipal, polícia e políticos em geral não se preocupam  com a agressão moral que sofremos e temos que ficar calados! Pois senão somos processados! “

Números das Parada Gay 

A Parada Gay se torna terra de ninguém. Tudo é permitido. O resultado vem nos números: 206 atendimentos médicos e 21 remoções para unidades médicas na capital,segundo o portal G1. As doenças infecto-contagiosas? Assim como no carnaval, as duras consequências só vêm depois.

Outro dado curioso é o número de participantes desta passeata. Ano passado foi  divulgado que o encontro reuniu 3 milhões de pessoas; neste ano 100 mil, como se pode conferir na imagem abaixo.

Das duas uma: ou a Parada mingou ou seus números são mentirosos assim como o discurso de luta política encabeçada pelos organizadores. Muito bem dizia Clodovil, homossexual que se tornou deputado no Brasil, sobre a Parada Gay: “Deus me livre. Quais direitos? Direito de promover passeata gay? Não tenho orgulho de transar com homem”.

Por  VANDERLÚCIO SOUZA ao Blog do Povo.
Fonte: http://blog.opovo.com.br/ancoradouro/participantes-da-parada-gay-atiram-camisinhas-em-igreja-catolica/

Uma resposta

  1. celma

    Que bom que temos pessoas iluminadas por aí, que são luz no meio de tanta gente corrompida. Deus continue trazendo pessoas assim para o nosso meio.

    Responder

Deixe um comentário

Seu endereço de email não será publicado.


*